Anhanguera. Aqui, o seu esforço ganha força

Para acessar a sua área você deve escolher:

  • Tenho uma conta Anhanguera Office 365

    Acesse a sua conta utilizando o seu login do Office 365

    ACESSAR MINHA CONTA
  • Ainda não tenho uma conta Anhanguera Office 365

Esqueci minha senha / 1° acesso
Notícias
Voltar

12.12.2014

Saúde em jogo

Um estudo realizado com 292 estudantes voluntários aponta que 22,2% dos universitários convivem com a hipertensão. O levantamento feito pelas professoras da Anhanguera de Campinas - Unidade 3, Priscila Sperling Cannavan e Simone Andery-Pinto, coordenadoras do Pronatec e do curso de Fisioterapia, respectivamente, teve como objetivo levantar a incidência de fatores de risco de morte súbita entre os universitários.
Como definição, a morte súbita é aquela que acontece de maneira instantânea ou em até 24 horas após o início dos sinais e sintomas. As principais causas são as doenças cardiovasculares que, por sua vez, têm a hipertensão arterial, a obesidade e o sedentarismo como principais fatores de risco.
Para a realização do estudo, as professoras entrevistaram e avaliaram 184 estudantes do sexo feminino e 108 do sexo masculino. A média de idade dos entrevistados é de 29 anos. Entre as mulheres foi observado que 14% apresentavam níveis de pressão arterial acima do ideal, 34,2% estavam acima do peso e apenas 30% admitiram praticar algum tipo de atividade física. Já entre os homens, as pesquisadoras identificaram uma discrepância. Apesar de 48% afirmarem praticar alguma atividade física rotineiramente, cerca de 60% estavam acima do peso e, 36,5% apresentaram níveis de pressão arterial acima do normal.
De acordo com as pesquisadoras, tendo em vista que trata-se de uma população no auge da produtividade econômica, conhecer esses fatores permite o refinamento para a prevenção de doenças cardiovasculares e morte súbita entre jovens ativos. "Trata-se de um importante mecanismo para evitar que jovens adultos venham a óbito ou fiquem acamados por conta de doenças que podem ser evitadas", afirma a professora Priscila.