Anhanguera. Aqui, o seu esforço ganha força

Para acessar a sua área você deve escolher:

  • Tenho uma conta Anhanguera Office 365

    Acesse a sua conta utilizando o seu login do Office 365

    ACESSAR MINHA CONTA
  • Ainda não tenho uma conta Anhanguera Office 365

Esqueci minha senha / 1° acesso
Notícias
Voltar

28.4.2014

Grupo de pesquisa cria enxaguatório bucal à base de própolis

Grupo de Pesquisa da Universidade Anhanguera de São Paulo acaba de obter a patente internacional do uso da própolis verde para uso odontológico. O produto natural foi transformado em enxaguatório bucal com eficácia similar aos produtos populares mais eficientes no tratamento de afecções bucais.

O estudo foi realizado com a aplicação do produto em 60 pacientes e comprovou ter ação decisiva contra os microorganismos que causam cáries e doenças gengivais. De acordo com o professor Dr. Camillo Anauate, coordenador do Programa de Mestrado de Biomateriais em Odontologia da Univesidade Anhanguera de São Paulo e líder da pesquisa, o produto é natural, não contém álcool, ainda têm características anti-inflamatórias que protegem os tecidos gengivais em tratamentos de canal e doenças bucais. "O produto possui a mesma eficácia sobre o combate de micro-organismos que os produtos contendo substâncias químicas referenciais, porém apresenta reações menos adversas, como menos gosto metálico e manchamento das obturações", afirma o professor Anauate Netto. "A própolis apresentou boa substantividade, ou seja, agiu mesmo após interromper o seu uso até depois de uma semana."

A própolis brasileira é objeto de investigação do Grupo de Pesquisa da Universidade Anhanguera de São Paulo há pelo menos 12 anos. Sob a liderança da professora Cristina Marcucci, do Laboratório de Produtos Naturais do Programa de Mestrado em Fármacia, pesquisas anteriores identificaram diversos tipos da própolis brasileira, sua aplicação em produtos cosméticos e farmacêuticos e tiveram o pedido de patente solicitados ao INPI.

"A própolis verde sempre foi muito conhecida no tratamento de inflamações de garganta, mas identificamos que é um produto com muito mais funções do que imaginamos", afirma a professora Cristina Marcucci."É um trabalho que vem sendo realizado há 12 anos e tem ajudado no desenvolvimento de novas pesquisas cujo foco é a aplicação e o uso deste produto natural, como a aplicação odontológica."

O Brasil é o segundo maior mercado de cuidados bucais do planeta. Com 9% de market share, o País fica atrás apenas dos EUA, com 16% e uma nação obcecada com a saúde dos dentes. Dados de um estudo realizado pelo cirurgião dentista Marco Antônio Manfredini, pesquisador da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), indicam que, nos últimos cinco anos, De acordo co levantamento baseado em informações da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), o uso de enxaguatórios bucais no Brasil registrou aumento de quase 200% nos últimos cinco anos.A informação vai ao encontro da aplicabilidade dos projetos desenvolvidos pelos Grupos de Pesquisa da Univesidade Anhanguera de São Paulo.

"Esta patente para o uso odontológico é um produto com grande potencial no mercado dominado por multinacionais com produtos sintéticos", afirma o professor Luis Marques, coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Farmácia e do Laboratório de Produtos Naturais da Universidade. "Há outras patentes de produtos à base de própolis com benefícios aos humanos que serão finalizadas em breve e apresentadas ao mercado."

A partir da análise quantitativa da própolis e do desenvolvimento do produto, a comercialização do enxaguatório natural já está em negociação com grandes indústrias, o que trará novas possibilidades para este mercado crescente. O novo produto possui registro de patente concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) com apoio e recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).