Anhanguera. Aqui, o seu esforço ganha força

Para acessar a sua área você deve escolher:

  • Tenho uma conta Anhanguera Office 365

    Acesse a sua conta utilizando o seu login do Office 365

    ACESSAR MINHA CONTA
  • Ainda não tenho uma conta Anhanguera Office 365

Esqueci minha senha / 1° acesso
Notícias
Voltar

15.12.2014

Envelhecer saudável

Berta Sheila de Souza Ribeiro é professora do curso de Tecnologia em Recursos Humanos da Anhanguera de Niterói / Psicóloga Clínica - Gestalt-terapeuta e Mestranda em Ciências do Cuidado em Saúde (UFF).
O cuidado está presente em todos os seres, ao observarmos a natureza podemos perceber. Em relação ao ser humano, o cuidado é mais do que o cumprimento de uma atividade, é uma atitude que envolve desde a atenção com a relação que estabeleço com o outro até a forma como organizo e preparo o ambiente em que vivo. Assim, o cuidado envolve duas dimensões: a técnica que abarca os processos de aprendizagem, o uso de instrumentos e ferramentas e a arte, que consiste na forma como é realizado o cuidado, a sensibilidade e criatividade que são exercitadas. A dimensão que faz com que a subjetividade emerja e que oferece um diferencial é a da arte e por isso pode-se perceber tantas formas de cuidar, verificando-se a sua complexidade. Vale ressaltar que o cuidado se dá numa visão holística do ser, que significa observar o ser no seu contexto, considerando aspectos biológicos, psíquicos, sociais, econômicos e espirituais.
Ao pensar o cuidado oferecido ao idoso, que pelo Estatuto do Idoso é considerado aquele tem idade acima de 60 anos, deve-se considerar o Envelhecimento como um processo natural que promove transformações, as quais necessitam de adaptação e modificação do comportamento, buscando-se priorizar ações de promoção de saúde, buscando principalmente, cuidar das emoções, sentimentos uma vez que farão repercutir no corpo os desequilíbrios, podendo gerar adoecimento. O envelhecimento saudável envolve uma atitude de responsabilidade e comprometimento para consigo e busca pelas alternativas que favoreçam ao bem estar.
Aprender a cuidar de si mesmo é condição para poder cuidar dos outros. A realização de exercícios de meditação, a reflexão de como tem resolvido suas próprias questões, de que forma tem vivido e se é a sua melhor forma, são questões que ajudam a encontrar o próprio caminho e viver com equilíbrio. Isso é o que chamamos de autocuidado. O que quero para mim? Ao exercitarmos a atenção para conosco todos os dias, fazemos com que através da repetição se torne um hábito e vai estar presente em todas as etapas de nossas vidas.
Logo, no Envelhecimento os sentimentos que atingem algumas pessoas estão relacionados às perdas que tiveram ao longo do tempo, vê-se medo, frustração por não poder mais fazer o que gostaria e o deslocamento da atenção para áreas da vida que há muito não era visitada. Esse somatório de vivências têm levado os idosos a apresentarem depressão e tem sido objeto de atenção.
A depressão no idoso é pode ser percebida pela mudança comportamental que apresenta, através da alteração de humor, vontade de ficar sozinho, tristeza permanente, pode também apresentar ansiedade com dificuldade para terminar as coisas que começa, não conseguir manter a conversação por muito tempo, olhar vago, perda do apetite, dificuldade para, afastamento das atividades que gosta de fazer e das pessoas que ama e em alguns pode-se perceber a agressividade manifestar-se. Desta forma, concluímos orientando algumas ações que podem facilitar a se ter uma vida saudável:
Cuidados consigo mesmo:
- Fazer alguma atividade que goste e que sinta prazer;
- Não perder o convívio social;
- Participar de grupos de orientação e oficinas;
- Estimular os idosos a participarem dos grupos e atividades;
- Buscar incluir a família no processo;
- Fazer alguma atividade que goste e que sinta prazer.